A Psicoterapia Contemplativa

A psicoterapia contemplativa é um campo terapêutico multimodal de intervenção baseado em compaixão, atenção plena e cultivo dialógico do insight.  Está incluída como disciplina dentro do campo das ciências contemplativas e suporte de uma rede internacional de instituições, estudiosos e investigadores da mente e da consciência. 

 

A psicoterapia contemplativa reconhece que o hábito da auto-reificação a partir de narrativas traumáticas é a causa raiz de todas as perturbações da mente.  Nessa abordagem utilizamos mais diretamente os conhecimentos e técnicas da psicoterapia baseada em compaixão e mindfulness e os estudos da consciência desenvolvidos por pesquisadores e cientistas contemplativos como Joe Loizzo, Miles Neal e Robert Thurman do Instituto Nalanda de Nova Iorque e do Instituto Mind and Life. Na prática, o modelo indo-tibetano de mente e saúde oferece não apenas uma imagem mais completa e precisa da psicobiologia do estresse e cura, mas também um modelo para a aprendizagem e manutenção de mudanças de comportamento saudáveis. Isso ocorre, em grande parte, porque não se baseia em doenças, mas sim em ajudar pessoas comuns a entender e enfrentar o estresse inexorável da condição humana.

 

Terapias convencionais tendem a focar nas psicopatologias, disfunções e obstáculos no desenvolvimento da personalidade. Quando os clientes vêm até nós, não raro, estão com um histórico de relacionamentos terapêuticos frustrados e entristecidos por se identificarem com diagnósticos por enquadramento patológico. Muitas vezes, nos deparamos com pessoas enraizadas em paisagens de adoecimento e acostumadas com o cultivo de uma qualidade de presença mental dirigida para estados de obsessão, repulsa e preocupação que resultam em depressão, ansiedade e isolamento narcisista. (narcísico)  

 

Para a psicoterapia contemplativa o inteiro espectro dos sofrimentos mentais, que vai da mera insatisfação às psicopatologias severas, é decorrente de uma mente destreinada e distraída, que pela força do hábito e dos processos individuais e coletivos de rotulação, se mantêm distantes do estado natural de equilíbrio e saúde.  Assim ela atua, nos longos processos de despatologização social ou no encorajamento e florescimento psicológico com base em aprendizagem contemplativa:  meditações, métodos dialógicos e embodiment ou mudança de estilo de vida. 

 

A psicoterapia contemplativa vê seu propósito acontecer no momento em que as pessoas manifestam seu potencial criativo básico, que é realizar, em meio ao mundo e suas expressões caóticas,  a felicidade sustentável e a completa liberdade do sofrimento.